Torcedor reclama do tratamento

16/11/2009 at 6:45 am (Geral) (, , , , , )


SPNET relata falta de respeito com o torcedor

Não é novidade para quem frequenta estádio de futebol no Brasil.

Ir  a jogos com previsão de casa cheia, onde milhares de pessoas se aglomeram num espaço limitado, sempre acabam em confusão.

Seja pela catraca que não funciona direito, seja para truculência da PM que trata torcedor como vagabundo, seja pelos marginais que se aproveitam para fazer arrastões, seja pelos torcedores “atrasadinhos” que gostam de chegar 15 minutos antes do jogo e entrar na base do empurrão.

A baderna é geral, provocada por todos. E como evitar isso?

Para o torcedor não há outro jeito a não ser “chegar cedo” e ficar em frente ao portão de acesso até que permitam a entrada no estádio.

Para a PM é saberem lidar com o público, organizar, serem prestativos e compreenderem que se estão ali não “fazem favor” para a corporação ou para o SPFC. É o seu trabalho, como um dia qualquer. São pagos para isso também.

Para os marginais que fazem arrastões (alguns de torcida organizada) é cadeia mesmo. Ladrões que se aproveitam da muvuca para intimidar e roubar. A PM deveria tratar estes, como vagabundos.

Para o SPFC é saber ouvir e tomar providências diante de tantas reclamações em jogos desse porte. De que adianta convocar toda uma torcida e submeter-lhe a todo esse sofrimento?

Falo isso do Morumbi pois sou torcedor são paulino. Mas em TODO ESTÁDIO é assim. Um problema que precisa ser sanado para quem quer sediar Copa do Mundo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: